é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Notícia | Entrevista

Publicada em 10 de setembro de 2018 às 15h36

Ansioso por retorno, Jackson aguarda oportunidade para jogar

Defensor garante estar pronto e à disposição de Enderson

Victor de Freitas

2018-09-10-15-06_capajackson14
Fonte: Felipe Oliveira / EC Bahia

Peça fundamental da defesa tricolor entre 2016 e o início de 2017, Jackson sofreu uma lesão no primeiro semestre do ano passado que o deixou de fora dos gramados por mais de 12 meses. De volta ao elenco principal desde junho, o defensor tem realizado treinamentos intensos desde então, além de ter disputado três jogos com o time de aspirantes.

Relacionado para oito jogos do time principal, desde que retornou ao elenco, Jackson ainda não ganhou a oportunidade de jogar uma partida oficial desde então.

Em entrevista ao jornal CORREIO, Jackson admite estar ansioso para poder voltar a ajudar o Bahia dentro de campo. Para isso acontecer, ele aguarda apenas o chamado do treinador.

"Fiz os três jogos do sub-23 sentindo desconforto e algumas limitações. Hoje, não sinto desconforto nenhum. Venho fazendo os treinos sem limitação. Me sinto bem. Suportar um jogo inteiro eu não consigo, pela questão física. É até bom falar dessas coisas, pois o torcedor me pergunta por que ainda não voltei. Muitos acham que ainda tô na fisioterapia. Já estou recuperado, tô treinando como todo mundo e esperando oportunidade", falou o zagueiro, à repórter Daniela Leone.

"(Voltar a jogar com o time principal) É o que mais quero nesse momento. Já ajudei muito fora de campo. Agora, quero ajudar dentro. É o que eu sinto prazer de fazer. Minha família se sente bem ao me ver dentro de campo e é o que eu mais quero agora. Tô trabalhando, voltando aos pouquinhos, o Enderson tem me levado para o banco e tô me preparando para quando a oportunidade aparecer, poder responder e, se Deus quiser, não sair mais", contou.

Jackson foi ausência do banco de reservas justamente quando Enderson mais precisou de um zagueiro à disposição. Contra o Santos, o treinador precisou substituir os dois defensores titulares - Tiago e Grolli se lesionaram - mas só tinha Éverson como suplente, terminando o jogo com um volante improvisado na zaga.

"Meu pensamento é que, se eu tô indo para os jogos, é porque eu tenho condição de entrar no jogo. Toda vez que tem a possibilidade de um zagueiro entrar e eu não sou chamado, lógico que isso incomoda, porque a gente quer jogar, quer estar lá dentro, mas respeito a opção do treinador e também respeito meus companheiros que estão entrando. Eu fico frustrado por querer jogar, ninguém quer estar de fora, mas o respeito pelo treinador e pelos companheiros está acima de tudo", lamentou.

Atualmente, Jackson é tido como a quinta opção do elenco tricolor - que tem Tiago, Lucas Fonseca, Grolli e Éverson como opções principais. Porém, ele afirma ter esperança de ganhar uma chance de defender o Bahia na Série A ainda neste ano. Ele foi destaque na Série B de 2016, mas ainda não jogou pelo Tricolor em nenhuma partida da primeira divisão, nem mesmo em 2017.

"Tenho certeza que esse ano ainda vou fazer alguns jogos para coroar toda essa luta, essa persistência. É frustrante, porque eu ajudei a colocar o time na Série A e até agora ainda não consegui fazer um jogo. Tenho certeza que ainda vai acontecer este ano", disse.

Jackson não atua com o time principal desde o dia 7 de maio de 2017. O próximo jogo do Bahia será contra o Palmeiras, às 16h de domingo (16), na Fonte Nova.

Confira a entrevista completa

leia também
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.