é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Notícia | Política

Publicada em 04 de setembro de 2017 às 18h55

Sant’Ana é absolvido pelo STJD por denúncia de ‘intimidação' a árbitro

Presidente tricolor havia sido denunciado por intimidar a arbitragem no jogo contra o São Paulo

Victor de Freitas

2017-09-04-18-41_capamarcelosantanastjd
Fonte: Daniela Lameira/Site STJD

Nesta segunda-feira (04), o presidente tricolor Marcelo Sant’Ana foi julgado e absolvido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) após ser denunciado por ter intimidado a arbitragem contra o São Paulo, na 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Marcelo Sant’Ana foi julgado pelos Auditores da Primeira Comissão Disciplinar do STJD por uma denúncia de “intimidação” à arbitragem, no jogo do 6 de agosto, no triunfo por 2 a 0 sobre o São Paulo.

Na súmula da partida, o árbitro João Batista de Arruda relatou que o mandatário tricolor teria intimidado a arbitragem durante o intervalo. Com isso, houve a denúncia no artigo 243-C.

“Nós só queremos correção! Não queremos ser beneficiados! (...) Jogo desses não pode ter equívocos! Eu conheço o Dr. Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro”, teria dito Sant’Ana, segundo o árbitro na súmula.

Presente em julgamento, Marcelo Sant’Ana explicou o que teria dito para a arbitragem e negou qualquer tentativa de ameaça.

“O árbitro deu uma exagerada. A zona mista é como um salão e ao lado direito o vestiário do time mandante e do esquerdo do visitante. Quando árbitro subiu para a zona mista com seis ou oito policiais, o que fiz foi cobrar por achar que ele estava cometendo alguns equívocos. Na súmula não coloca xingamentos, não fiz gesto, não ofendi. Citei que não quero ser beneficiado, mas também não pode ter erros graves em partidas, inclusive em partidas com confrontos diretos como foi essa”, explicou o presidente do Bahia.

A Auditora Michelle Ramalho, relatora do processo, justificou o motivo de ter recusado a denúncia.

“Rejeito a denúncia por entender que a conduta não é ameaça ou intimidatória e sim mero desabafo. Nem sequer desrespeito. Nesse sentido, absolvo o denunciado”, explicou a Auditora, seguida pelos Auditores Douglas Blaichman, Alexandre Magno e pelo Presidente interino, Gustavo Pinheiro.

leia também
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.