é goleada tricolor na internet
veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Gilberto destaca projeto do Bahia como atrativo e fala sobre Paiva

Notícia
Entrevista
Publicada em 18 de julho de 2023 às 18:34 por Victor de Freitas

gilbertold6
Fonte: Felipe Oliveira / EC Bahia

Após assinar contrato até 2026, o lateral-direito Gilberto foi apresentado oficialmente à imprensa nessa terça-feira (18).

Em suas primeiras palavras como jogador do Esquadrão, o lateral de 30 anos destacou o tamanho do clube e da torcida tricolor, bem como a estrutura, como fatores que o fizeram trocar o Benfica pelo Bahia.

“O Bahia não perde de nada para os outros clubes grandes do Brasil. É um clube com estrutura, um clube campeão Brasileiro, uma das torcidas mais apaixonadas do Brasil. Quando as propostas chegaram, o Bahia sempre esteve junto ali”.

Com a expectativa de estrear na rodada deste final de semana, Gilberto falou sobre como o momento do Bahia na classificação, mas afirmou ter confiança na manutenção da equipe na Série A e na evolução do projeto.

É óbvio que o momento é difícil, eu sabia. Mas eu estava pensando também no projeto. Os jogadores têm qualidade para se manter na Série A. O projeto daqui pra frente é só evolução”.

O que sabe sobre o técnico Renato Paiva?

Gilberto vem do Benfica para o Bahia, mesmo clube onde o técnico Renato Paiva trabalhou por um longo período nas categorias de base, antes de se aventurar no futebol equatoriano, em seguida México e Bahia.

O lateral falou sobre como o Bahia conduziu as negociações e o papel que Paiva teve durante as conversas, buscando suas referências com profissionais que trabalham no Benfica.

“Vinha de um momento bom lá (na Europa). Graças a Deus tive muitas propostas. A primeira coisa foi o interesse do Bahia, a forma que eles abordaram, toda negociação, o clube e, principalmente, o treinador (Renato Paiva). Parece que ele buscou todas as minhas informações lá no Benfica. Ele trabalhou bastante tempo por lá, e alguns jogadores que trabalharam com ele mesmo nas férias me mandaram mensagem para me dizer como é a relação dele com os atletas, o estilo dele de trabalho”.

“E eu me identifiquei muito porque é uma forma que trabalhei bastante durante esses três anos lá. E eu gostei muito porque evolui muito taticamente, principalmente, defensivamente. Era um déficit que eu tinha jogando no Brasil. Evolui bastante com os treinadores com quem trabalhei lá e as ideias do Renato são muito parecidas. Isso foi um ponto positivo”.

Trabalhar novamente com um técnico português

“Sobre o técnico, sinceramente não me interessa a nacionalidade. Me interessa a forma que ele trabalha. E a forma que o (Jorge) Jesus trabalhou comigo me ajudou a evoluir muito. Tanto que ele fez um ótimo trabalho aqui no Brasil. Sou muito grato a ele. E as ideias do Paiva também são muito boas”.

Torcida do Bahia

“A torcida do Bahia que é diferente. Os torcedores do nordeste, como disse, são torcedores muito calorosos. Jogar aqui na Fonte Nova sempre foi um desafio para a gente. Quando era adversário, a gente sabia que jogar lá seria muito difícil. Quando cheguei aqui foi a primeira coisa que eu falei, isso aqui é um caldeirão. A torcida, mesmo no momento em que a gente está, nunca abandonou a gente. Tenho visto sempre o estádio cheio. Então, a gente tem que trazer isso para o nosso lado, sempre. Esses foram os pontos: a torcida e as ideias do treinador”.

comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros.
O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios
impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

enquete

Após mais de 50 jogos pelo Bahia, como você avalia o trabalho de Rogério Ceni?
todas as enquetes
casas de apostas brasileiras