é goleada tricolor na internet
veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Paiva define jogo como equilibrado e quer alternar esquema tático

Notícia
Entrevista
Publicada em 10 de junho de 2023 às 21:35 por Victor de Freitas

paiva60
Fonte: Reprodução / Youtube

O Bahia somou mais um jogo sem vencer no Brasileirão, ao empatar em 2 a 2 com o Cruzeiro neste sábado (10). Após a partida, o técnico Renato Paiva falou com a imprensa e avaliou o desempenho da sua equipe em campo.

Na análise do treinador, a partida foi marcada por equilíbrio e por momentos de domínio alternados entre os times, mas também com dificuldades físicas por parte do Bahia.

O Bahia entrou muito bem no jogo. (O jogo) É equilibrado, dividido. Entra muito bem, no momento em que está melhor faz o gol e no momento em que também está melhor, sofre o primeiro gol. Reage e depois com erros defensivos sofre o segundo gol. Estou de acordo (com falhas defensivas no jogo). Há uma reação da equipe, que começa a segunda parte melhor, e é verdade que depois cai fisicamente e tecnicamente”.

Segundo Paiva, o fato de o Bahia ter chegado ao fim do jogo desgastado fisicamente se dá por terem atletas que estavam atuando pouco em jogos anteriores.

“Mas a explicação é simples. Temos jogadores que não jogavam há algum tempo. Kayky, Arthur, Ryan, Cicinho, são jogadores que não estavam jogando, e quando o treinador fazia rodízio era super criticado. Mas com o treino só não chega, tem que ganhar forma jogando. E de fato, nós fizemos o último grande rodízio, que foi contra o Santos, depois fomos fazendo de forma pontual, por decisão minha ou por necessidade, mas não há milagres. Os jogadores quando jogam, se entregam. Kayky saiu porque se esgotou fisicamente. Arthur entrou e depois de 15 minutos estava sem ar. É normal. São jogadores sem ritmo, que não estavam jogando”.

É um jogo equilibrado, o Cruzeiro estava melhor em alguns momentos e nós em outros. Acabamos esgotados, mas começamos bem”.

Lesões do elenco

Para a partida contra o Cruzeiro, a comissão técnica tricolor não pôde contar com oito atletas em função de problemas físicos. Paiva também falou sobre os motivos e afirmou que o mesmo ocorre em outros times.

“A questão das lesões em uma parte tem a ver com isso, com a questão da rotatividade. Hoje tínhamos Rezende e Ryan em alarme (de possível lesão). Não gosto de olhar para os outros, mas a onda de lesões em outras equipes é igual ou maior que a nossa. Por que? Porque é o calendário que temos e olha que não estamos na Libertadores ou Sul-americana. Nós estamos trabalhando sempre como trabalhamos. Para mim, a equipe tem um desgaste de alguns jogadores, como Rezende e Ryan, e outros que jogam menos e não aguentam uma partida inteira. Kayky só com continuidade vai ganhar. Se fosse só um problema do Bahia, eu estaria muito preocupado. Mas isso é em quase todas as equipes. Portanto, temos que continuar gerindo essa situação e continuar trabalhando”.

Ademir, Chávez, Biel, Jacaré, Yago, Matheus Bahia, Raul Gustavo e Marcos Victor não foram opções por questões físicas.

Trabalho para alternar esquema tático

Com o time exposto mesmo atuando com três zagueiros, e sem conseguir prevalecer ofensivamente, a torcida tem cobrado a troca de esquema tático.

O técnico afirmou que tem, sim, trabalhando para tentar voltar a jogar com dois zagueiros, o que resultaria em uma opção a mais no ataque, mas que as lesões estão dificultando esse processo.

“Trabalhar. Entre o sistema de três zagueiros e o de 4-3-3, que estamos tentando acelerar o processo de fixar, mas que não temos condições, ainda por cima com essas lesões todas atrapalhando mais”.

Apesar da afirmação, ele entende que o Bahia não esteve exposto contra o Cruzeiro, apesar das falhas táticas e individuais dos três zagueiros.

“A verdade é que nós, outra vez, antes do gol do Cruzeiro, não havíamos concedido tanto. Eu digo que o hoje foi dividido. Na primeira parte, abrimos um bloco entre a linha média e defensiva que o Cruzeiro aproveitou, algo que não tinha ocorrido nos últimos jogos. O primeiro gol é uma bola longa, a torcida não desliza, há um espaço entre os zagueiros, uma bola nas costas, e estávamos desatentos”.

É trabalhar, não vejo outra hipótese, e percebendo condições de ir alternando o sistema entre 3-4-3 e 4-3-3. Obviamente que na primeira parte estivemos muito bem. Fizemos um jogo compacto, dividido. Na minha opinião, ao fim da primeira parte estivemos melhor. E Cruzeiro quando estava ganhando era muito confortável nas transições e nós, ao jogarmos em 4-3-3, e criando o fluxo atrás do resultado, obviamente que fomos mais para transições e a segunda parte foi mais isto, tirando os últimos minutos quando a equipe já conseguia sair só em contra-ataques e o Cruzeiro em cima”.

O Bahia terá um longo período para trabalhar antes do próximo jogo, que está marcado para 21 de junho, contra o Palmeiras, novamente em casa.

comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros.
O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios
impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

enquete

Após mais de 50 jogos pelo Bahia, como você avalia o trabalho de Rogério Ceni?
todas as enquetes
casas de apostas brasileiras