é goleada tricolor na internet

veículo informativo independente sobre o esporte clube bahia

Notícia | Nordestão

Publicada em 20 de março de 2022 às 10h27

Atlético de Alagoinhas faz o que o Bahia não conseguiu em 2022

Após eliminação do Bahia, equipe do interior representa o estado no mata-mata do Nordestão

Victor de Freitas

atleticoalxbahia2
Fonte: Felipe Santana / EC Bahia

O primeiro trimestre de 2022 é marcado por vergonha, devido aos vexames protagonizados pelo Bahia dentro e fora de campo. Em meio a inúmeros erros que se sucedem ano após ano, os resultados dentro das quatro linhas só acompanham a incompetência no trato da gestão do futebol no clube.

Apesar de ter sofrido uma queda para a segunda divisão, o Bahia permaneceu com uma das maiores receitas do futebol nordestino, atrás somente dos cearenses que seguiram na primeira divisão. Dentro do futebol estadual, nem cabe uma comparação devido ao nível financeiro e técnico dos adversários.

Mesmo com tanta superioridade, ao menos na teoria, o Tricolor conseguiu dar vexame nas duas competições, Baiano e Nordestão, sem ter competência nem sequer de ficar entre os quatro primeiros em torneios com dez e oito times na chave, respectivamente.

Por outro lado, o Atlético de Alagoinhas, adversário tricolor em ambas as disputas, conseguiu fazer o que o mínimo que o Bahia deveria ter feito.

A começar por vencer os confrontos entre as duas equipes. O Carcará venceu o Esquadrão tanto na Copa do Nordeste, como também no Campeonato Baiano.

No fim da primeira fase das duas competições, o Atlético celebrou as duas classificações no G-4.

Avançou em segundo lugar no Baianão, com 17 pontos, em quarto lugar do grupo A na Copa do Nordeste, com 11 pontos.

O Atlético de Alagoinhas é a Bahia no mata-mata da Copa do Nordeste.

Ao Esquadrão de Aço, fica a lição de que não pode se dar ao luxo de perder para equipes do interior do estado na competição regional.

Equipe do interior tem mais jogos que o Esquadrão em 2022

A velha desculpa de “não ter tempo para treinar” entre um jogo e outro não atinge o Atlético, que, mesmo com um elenco curto, já disputou três competições no primeiro trimestre – também estreou na Copa do Brasil.

O Carcará fez 18 jogos com o grupo de jogadores em 2022, enquanto o Bahia tem 17 partidas oficiais no ano – sendo que duas delas foram com o time de transição e várias outras com revezamento de atletas no time titular.

leia também
comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ecbahia.com. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral, os bons costumes ou direitos de terceiros. O ecbahia.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.